Revista Adolescência e Saúde

Revista Oficial do Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente / UERJ

NESA Publicação oficial
ISSN: 2177-5281 (Online)

Vol. 16 nº 2 - Abr/Jun - 2019

Artigo Original Imprimir 

Páginas 7 a 15


Reprodutibilidade da versão impressa do Questionário Webcas

Reproducibility of the printed version of Webcas Questionnaire


Autores: Rosimeide Francisco Santos Legnani1; Elto Legnani2; Rafael Alexandre Quentino3; Michael Pereira da Silva4; Eliane Denise Araujo Bacil5; Wagner de Campos6

1. Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Ponta Grossa, PR, Brasil
2. Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Curitiba, PR, Brasil
3. Mestrando em Educação Física pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.(UTFPR). Curitiba, PR, Brasil
4. Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Guarapuava, PR, Brasil
5. Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente pela Universidade Positivo (UP). Curitiba, PR, Brasil
6. Pós-doutorado em Desenvolvimento Motor e Estudos dos Esportes pela Universidade de Pittsburgh (PITT - EUA). Docente pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Curitiba, PR, Brasil

Correspondência:
Rosimeide Francisco Santos Legnani
Universidade Estadual de Ponta Grossa - Campus Uvaranas - Departamento de Educação Física
Av. General Carlos Cavalcanti, no 4748
Ponta Grossa, PR, Brasil. CEP 84030-900
(legnanirosi@gmail.com)

Submetido em 05/08/2018
Aprovado em 26/01/2019

PDF Português            

Scielo

Medline

Como citar este Artigo

Descritores: Reprodutibilidade dos testes; Questionários; Estudantes.
Keywords: Reproducibility of results; Questionnaires; Students.

Resumo:
OBJETIVO: Analisar a reprodutibilidade da versão impressa do questionário WebCas VI.
MÉTODOS: Para o teste e reteste do estudo participaram 255 estudantes entre 9 e 15 anos, intencionalmente selecionados em uma instituição de ensino pública de Curitiba-PR. O WebCas VI é composto por sete seções: variáveis sociodemográficas, hora de sono, atividade física, deslocamento à escola, frequência de consumo de alimentos, consumo de bebidas alcoólicas e cigarro e questões socioeconômicas.
SÍNTESE DE DADOS: A análise dos dados foi realizada por meio do percentual de concordância, Kappa PABAK (KP) e coeficiente de correlação de concordância.
RESULTADOS: Os estudantes apresentaram média de idade de 13,2 (±1,1) anos e gasto calórico estimado de 2261,6 (±591,5) MET's. Os percentuais de concordância variaram de 40,8% a 99,3%. O menor valor KP foi observado na variável doces (0,59; IC 95%: 0,51 - 0,67) e o maior na variável consumo de cigarros (1,00; IC 95%: 0,93 - 1,00). Nenhuma variável apresentou valores de KP fraco ou pobre. Para as variáveis contínuas, o maior valor de coeficiente de correlação de concordância foi de 0,83 (IC 95%: 0,42 -0,65) e o menor de foi de 0,11 (IC 95%: 0,02 -0,13). Somente duas variáveis analisadas apresentaram coeficientes de correlação de concordância fraco (r < 0,40).
CONCLUSÃO: Os indicadores de reprodutibilidade dos itens do questionário WebCas VI foram considerados adequados tanto para as variáveis categóricas quanto para as contínuas.

Abstract:
OBJECTIVE: To analyze the reproducibility of the printed version of the WebCas VI questionnaire.
METHODS: For the test and retest of the study participated 255 students between 9 and 15 years old, intentionally selected at a public educational institution in Curitiba-PR. The WebCas VI consists of seven sections: sociodemographic variables, sleep time, physical activity, transport to/from school, frequency of food consumption, consumption of alcoholic beverages and cigarettes, and socioeconomic factors.
DATA SYNTHESIS: The data analysis was performed using the percentage of agreement, Kappa PABAK (KP) and agreement correlation coefficient.
RESULTS: Students presented a mean age of 13.2 (± 1.1) years and an estimated caloric expenditure of 2261.6 (± 591.5) MET's. The percentages of concordance ranged from 40.8% to 99.3%. The lowest KP value was observed for sweet consumption variable (0.59, 95% CI: 0.51 - 0.67) and the highest for the cigarette consumption variable (1.00, 95% CI 0.93-1, 00). No variable had weak or poor KP values. For the continuous variables, the highest correlation coefficient value was 0.83 (95% CI: 0.42-0.65) and the lowest was 0.11 (95% CI: 0.02 - 0.13). Only two variables had weak concordance correlation coefficients (r <0.40).
CONCLUSION: The indicators of reproducibility of the items of the WebCas VI questionnaire were considered adequate for both categorical and continuous variables.

INTRODUÇÃO

Os comportamentos relacionados à saúde (CRS) de crianças e adolescentes podem ser totalmente diferentes, e embora muitos pesquisadores estudem essa variável, ainda há muito que se pesquisar a respeito. O CRS tende a mudar de acordo com vários fatores: cultura, etnia e costumes podem sofrer influências externas desde a infância estendendo-se ao longo da vida. Então, os CRS, como o nível de atividade física (NAF), horas de sono suficiente, alimentação saudável, não con-sumo de álcool e cigarro podem relacionar-se aos inúmeros benefícios à saúde em crianças e adolescentes1,2. No entanto, mensurar essas variáveis nesse grupo etário ainda apresenta uma série de limitações aos pesquisadores da área da saúde, sobretudo, pela fragilidade no processo de construção, testagem e validação dos questionários3.

Ao considerar essas limitações, a utilização de questionários impressos é amplamente utilizada na coleta de dados e monitoramento desses comportamentos em diversas regiões geográficas e contextos, principalmente devido à possibilidade de reunir muitas informações com baixo custo e fácil aplicação2,4. Mesmo que o instrumento já exista e apresente características psicométricas adequadas, há necessidade de testar estas qualidades para utilização em contexto diferente daquele ao qual foi construído, o que implica em realizar os procedimentos de validade, fidedignidade e de reprodutibilidade5,6.

No Brasil, poucos estudos propuseram elaborar instrumentos para avaliar os CRS em adolescentes3,7,8. Mesmo assim, parece não haver um questionário para avaliar os CRS em adolescentes que inclua a variável "hábitos de sono", assim como se proponha a avaliar a Prática Habitual Física (PHAF) partindo do Compêndio de Atividades Físicas9. Sendo assim, o objetivo desse estudo foi realizar os procedimentos de validade e reprodutibilidade da Versão Impressa do Questionário Webcas (Webcas VI).


MÉTODOS

A coleta de dados foi efetuada em agosto e setembro de 2014 (levantamento transversal) por uma equipe treinada do Centro de Estudos de Atividade Física e Saúde da Universidade Federal do Paraná (UFPR), supervisionados pela pesquisadora principal. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFPR, sob o número do parecer: 684.147/2014 de 11 de junho de 2014.

A amostra foi composta por 255 estudantes com idades entre 9 a 15 anos, de ambos os sexos, selecionados de modo intencional, matriculados no período diurno de uma escola pública da área urbana de Curitiba, Paraná. O instrumento foi desenvolvido para avaliar os CRS, seu processo de elaboração e reprodutibilidade em estudantes em duas etapas: elaboração da versão impressa e procedimentos de reprodutibilidade do WebCas VI.

A estrutura do WebCas VI foi elaborada mediante a adaptação de seções extraídas de instrumentos utilizados em estudos internacionais. O questionário foi dividido em sete seções: variáveis sociodemográficas: código do aluno, escola, cidade, turno, data de nascimento, rede de ensino (particular, municipal, estadual, federal), massa corporal, estatura, sexo e dia a ser recordado; hora de sono do dia anterior; recordatório das atividades realizadas no dia anterior; tipo de transporte utilizado ao deslocamento à escola; hábitos de alimentação (frequência de consumo de alimentos); hábitos de sono; consumo de bebidas alcoólicas e cigarro; questionário socioeconômico. O objetivo da primeira seção foi investigar as variáveis antropométricas e sociodemográficas dos participantes, e a segunda seção avalia a duração do sono na noite anterior.

Na terceira seção estão listadas 244 atividades físicas (AF) com 35% dos valores de equivalente metabólico (MET) oriundos de pesquisas com crianças e adolescentes, o restante provém de AF listadas no compêndio de adultos e corrigidas para aplicação em adolescentes9. Cada atividade listada9 equivale a um valor de MET, que representa a sua intensidade relativa em múltiplos da Taxa Metabólica de Repouso (TMR) definida em 1,0 Kcal/kg (peso/hora). Esta foi representada por um código de seis dígitos, no qual o primeiro dígito refere-se ao tipo de AF, o segundo dígito à posição do corpo durante a atividade, o terceiro dígito representa o contexto para cada AF- sendo específico a cada categoria de AF, o quarto e o quinto dígitos descrevem a especificidade de cada atividade e o sexto dígito descreve a intensidade referida durante a AF10,11.

Para facilitar a interpretação desses códigos aos respondentes do WebCas VI foram criados oito domínios de AF: Artes; Atividades domésticas; Cuidados pessoais; Dança; Ginástica; Atividades estudantes e trabalho; Esportes; Lazer e recreação. Além disso, foram destacadas três categorias de intensidade: fraca, moderada e forte, assim como possibilidades de realização destas de acordo com as posições do corpo (deitado, sentado e em pé), fazendo uma analogia com a lista de AF apresentada aos alunos, e seus respectivos valores em MET's. Todas AF listadas no compêndio foram incluídas em um dos domínios de acordo com a categoria de intensidade e posição do corpo.

Essas informações permitiram calcular o gasto energético diário (GED), fracionado a cada quinze minutos. O gasto energético (GE) é representado por uma variável contínua em MET, medida em quilocaloria por dia (Kcal/dia), ou categórica, no caso nível de AF (NAF) classificada em sedentário, pouco ativo, ativo e muito ativo.

Para calcular o GE de um jovem em relação a uma determinada AF, os valores em MET's devem ser multiplicados pela TMR do jovem, procedendo da seguinte forma: Kcal = valor MET X TMR X massa corporal, tempo de duração da AF. Sendo: TMR = Kcal.kg-1 min-1; massa corporal (MC) = Kg, tempo = minutos11. As TMR's foram calculadas pelas equações: TMR = 0,084 X MC+2,122 (para meninos) e TMR 0,047 X MC+2,951 (para meninas)12. Estes resultados são expressos em MJ/dia, e para determinar o valor em quilocaloria por dia (Kcal/dia) deve-se multiplicar o resultado da TMR por 239 (constante).

Para identificar o GED, recorreu-se ao registro de todas as atividades realizadas durante um dia, em seguida foi efetivado os cálculos para cada atividade realizada durante o dia recordado. Após calcular a TMR e o GED, calculou-se o NAF dos estudantes de acordo com a seguinte equação: GED em quilocalorias dividido pelo gasto calórico basal, resultando numa proporção estimada até duas vezes e meia acima da TMR, de acordo com a classificação: sedentário [1–1,39], pouco ativo [1,4–1,59], ativo [1,6–1,89] e muito ativo [1,9–2,5]13.

As seções quatro e cinco referem-se aos hábitos de locomoção (casa/escola/casa), alimentares e de sono, onde utilizou-se como referência a última semana. Foram considerados cinco grupos para a frequência de consumo de alimentos: frutas; vegetais e verduras; salgados, batata frita, salgadinhos ou cachorro quente; doces, bolachas recheadas ou chocolates; refrigerantes ou sucos com adição de açúcar.

A opção em estudar esses tipos de alimentos deve-se a maior disponibilidade de informações de outros levantamentos envolvendo a mesma faixa etária e a maioria desses itens estarem inseridos nos levantamentos realizados pela OMS4,14, além de apresentar relação direta aos níveis de saúde e de representar significativamente os hábitos alimentares dos adolescentes.

Os hábitos de sono foram investigados com as perguntas relacionadas à: sonolência diurna, cochilo ou sesta, horário que costuma acordar e dormir. A seção seis reuniu informações referentes à frequência de consumo de álcool nos últimos 30 dias, número de doses por ocasião e o consumo de cigarros, e teve como referência sete dias anteriores à pesquisa15,16.

A última seção do WebCas VI refere-se à classificação do estrato socioeconômico dos participantes. O nível socioeconômico foi avaliado seguindo as recomendações da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa17, sendo utilizado o critério de classificação; a posse de bens móveis e o grau de escolaridade do chefe da família, que classificou os estudantes nas classes A, B1, B2, C1, C2, D e E. Para este estudo, estratificou-se as amostras em três classes: alta (A + B1); média (B2 + C1 + C2); e baixa (D + E).

Durante os procedimentos de teste e reteste do WebCas VI os pesquisadores realizaram quatro visitas à escola Na primeira apresentaram o projeto de pesquisa, seus objetivos aos alunos, distribuindo o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e o Termo de Assentimento Livre e Esclarecido (TALE). Na segunda os alunos que aceitaram participar, apresentaram o TALE assinado e o TCLE, devidamente assinados pelos responsáveis, e na sequência participaram de uma avaliação antropométrica, utilizando uma balança (marca Plena) com capacidade de 150 quilogramas e precisão de 100 gramas e uma trena fixada à parede e um anteparo de madeira, colocado na vértex do crânio. Na terceira visita à escola, foi realizada a primeira aplicação do WebCas VI (teste). Sete dias após foram realizados os procedimentos de reteste. Houve perda amostral de 111(44,7%) estudantes.

Antes que os estudantes iniciassem o teste, o questionário foi apresentado de forma detalhada em multimídia (Datashow), juntamente com o compêndio de AF, impresso em papel A3, colorido e entregue separado do questionário. Nesse momento foram explicitados os procedimentos metodológicos pertinentes ao recordatório das AF, que deveriam ser anotados no questionário. Foi apresentado um quadro com 24 horas (subdividido em horas e estas em quatro partes de 15 minutos), enfatizado aos estudantes que recordassem as atividades realizadas no dia anterior. Para isso foram orientados a consultar primeiramente o domínio em que aquela atividade estava alocada (na lista de AF), em seguida o tipo de atividade e seu valor em MET's, para posterior anotação de cada atividade realizada nos intervalos de 15 minutos.

Após a apresentação e explanação sobre as demais seções do WebCas VI, os alunos foram autorizados a preencher uma questão de cada vez até completarem todos os itens. À medida que os alunos finalizavam este preenchimento, foram orientados a passar para as demais seções: tipo de transporte à escola, frequência de consumo de alimentos, consumo de álcool e cigarros, hábitos de sono e o questionário socioeconômico. O WebCas VI foi aplicado pela pesquisadora principal e dois auxiliares em cerca de 35 – 40 minutos.

Quanto à análise dos dados quantitativos, foram realizados os procedimentos da estatística descritiva (média, desvio-padrão e distribuição de frequência). Avaliou-se a reprodutibilidade pelo percentual de concordância Kappa ajustado às variáveis em escala ordinal (PABAK-OS), ou simplesmente PABAK (K), que pode ser utilizado para calcular a confiabilidade entre duas aplicações de um mesmo instrumento, quando se analisa uma variável em escala ordinal de três, quatro, cinco, seis ou sete categorias18. As análises relativas ao K foram realizadas diretamente na página http://www.singlecaseresearch.org.

As variáveis contínuas foram analisadas mediante a técnica do coeficiente de correlação de concordância (CCCρ c)19. O CCCρ c apresenta uma medida de precisão (ρ) e outra de acurácia (Cb). Na qual: ρ é o coeficiente de correlação de Pearson e Cb é um fator de correção do viés que mede o quanto a linha de melhor ajustamento se desvia da linha de 45º através da origem, sendo assim, uma medida de acurácia. Os valores sugeridos à interpretação dos Coeficientes de Concordância (ρ c) indicam a força da concordância são: <0.90= pobre; 0.90 – 0.95; moderada; 0.95 – 0.99, substancial e >0.99 = Quase Perfeita20. As variáveis que não apresentaram distribuição normal, executou- se a normalização dos dados que consta no programa estatístico Medcalc 15.2 para Windows, onde adotou-se o nível de significância preestabelecido em 5% (p<0,05).


RESULTADOS

No processo de reprodutibilidade entre as réplicas de aplicação do WebCas VI foram avaliados 141 estudantes que apresentaram média de idade em 13.2 anos (±1,1), massa corporal de 50,3kg (±9,9), estatura 1,56cm (0,07), índice de massa corporal 20,4 cm/m2 (3,34) e gasto calórico estimado de 2261,6 MET's (591,5). A tabela 1 apresenta as características sociodemográficas dos participantes do estudo.




Os resultados relativos aos procedimentos de reprodutibilidade do questionário são apresentados na tabela 2. Os percentuais de concordância variaram de 40,8% a 99,3%, onde se observou maiores valores entre as variáveis relativas ao consumo de cigarros 99,3% (141) e de álcool (doses) com 90,1% (128), e menores valores entre as variáveis relacionadas à frequência de consumo de alimentos (frutas e verduras), consumo de refrigerante 40,8% (58) e doces 43,0% (61).




Ao considerar a totalidade da amostra, verificou- se que os maiores valores de K foram observados em: deslocamento à escola (K=0,84; IC:0,77 - 0,90), consumo de álcool e cigarro (consumo de álcool >5 doses; embriaguez); e sonolência diurna, cochilo ou sesta. Nenhuma variável apresentou valores de Kappa fraco ou pobre.

Após categorização das análises por sexo, verificou-se que os maiores valores de K estavam entre os meninos em: consumo de cigarro (K=0,98; IC:0,90 - 1,07) e cochilo ou sesta (K=0,96; IC:0,87 - 1,04), sendo os menores valores entre as meninas nas variáveis consumo de frutas (K=0,56; IC:0,43 - 0,69) e de doces (K=0,58; IC:0,45 - 0,70).

Ao considerar a amostra em sua totalidade (variáveis contínuas), os maiores valores de CCC Pc foram observados em: hora que acorda fim de semana (r=0,70; IC:0,42 - 0,65) e hora que acordou hoje (r=0,70; IC 95% = 0,60 - 0,77). O maior valor de concordância foi observado na variável hora que acorda 2ª a 6ª feira, (r=0,87) para os meninos e (r=0,75) às meninas.

Nas análises relacionadas aos indicadores de Cb, as variáveis que apresentaram os maiores indicadores foram: hora que acordou hoje; hora que acorda 2ª a 6ª feira; hora que dorme 2ª a 6ª feira; hora que acorda fim semana e GEDA (Cb ≥0,99), demonstrando uma acurácia classificada como quase perfeita. Esses indicadores se mantiveram entre os meninos nas mesmas variáveis e sofreram pequenas reduções entre as meninas. Nas análises relacionadas a P, o maior valor de correlação observado foi na variável, hora que acorda 2ª a 6ª feira, tanto entre os meninos (r=0,87) quanto entre as meninas (r=0,76). A tabela 3 apresenta maiores detalhes sobre estes indicadores.




DISCUSSÃO

A avaliação dos CRS em crianças e adolescentes é de grande importância à saúde pública, visto sua forte relação com implicações à saúde dos jovens a curto e longo prazo. Dentre os principais resultados dos procedimentos de reprodutibilidade do WebCas VI, pode-se destacar que das 12 variáveis categóricas analisadas, nove apresentaram percentuais de concordância superiores a 50%; das analisadas por meio do Kappa Ponderado (Pabak), sete (58,33%) apresentaram valores de concordância muito boa (K≥0,84), sendo: deslocamento à escola, consumo álcool 30 dias; consumo álcool >5 doses; embriaguez; consumo de cigarro; sonolência diurna e sesta. Valores moderados de Pabak foram observados nas variáveis que analisaram a frequência de consumo de doces, frutas e verduras (K=0,61 a K=0,65).

Os indicadores de reprodutibilidade observados nesse estudo foram superiores aos encontrados na literatura21 em estudantes catarinenses (K=0,23 a K=0,58) e, similares aos encontrados por Farias Júnior3, que identificou valores de Kappa variando de moderado a forte nas maiorias das variáveis referentes aos hábitos alimentares (K=0,44 a K=0,69). Por outro lado, ao analisar a reprodutibilidade da versão brasileira do instrumento Youth Risk Behavior Survey (YRBS) os autores identificaram que 91% dos itens apresentaram valores de Kappa moderados ou substanciais, e esses valores referendaram o uso dessa versão em adolescentes brasileiros7.

Nas análises discriminadas por sexo, entre 12 variáveis analisadas nos meninos, sete variáveis (deslocamento à escola, consumo de álcool 30 dias; consumo de álcool >5 doses; embriaguez; consumo de cigarro; sonolência diurna, sesta) apresentaram valores de Kappa >0,80. Entre as meninas, isso foi observado em seis variáveis (consumo de álcool 30 dias; consumo de álcool >5 doses; embriaguez; consumo de cigarro; sonolência diurna e sesta). Os menores valores de Kappa foram encontrados ao consumo de doces (K=0,59) e verduras (K=0,63) entre os meninos, já com as meninas ocorreu nas variáveis consumo de frutas (K=0,56) e, consumo de doces (K=0,58).

Essas informações podem ser corroboradas, pois os indicadores de reprodutibilidade podem sofrer ampla variação entre os estudos (r=0.20 a r=0.98)3. As divergências observadas entre os resultados dos estudos analisados podem estar relacionadas às diferentes metodologias adotadas, tanto na coleta quanto no tratamento dos dados. Em geral, os questionários demonstram melhor reprodutibilidade teste e reteste, do que os indicadores de validade3,9,10,21.

Os valores de correlação entre as réplicas de aplicação do Webcas VI relativos ao GE foram de r=0,59 e os valores de acurácias da reprodutibilidade foram de r=0,99. O valor de correlação encontrado nesse estudo é inferior quando analisada a reprodutibilidade dos questionários PAQ-C e do PAQ-A22 (r=0,68 e r=0,88) e ao testar a concordância entre as réplicas de aplicação do questionário IPAQ em adolescentes22.

Das oito variáveis contínuas analisadas e considerando a totalidade da amostra, cinco (62,5%) apresentaram forte (>0,70) coeficientes de correlação de concordância, sendo entre os meninos, quatro variáveis (50%). Nas análises relacionadas aos indicadores de Cb, sete variáveis apresentaram valores de acurácia substancial ou quase perfeita (Cb≥0,98). No entanto, entre os meninos, esses mesmos indicadores foram observados em seis variáveis, enquanto entre as meninas apenas em quatro variáveis.

Nas análises de reprodutibilidade das variáveis contínuas, hábitos de sono e GE (Kcal/ dia), sete (87,5%) das oito variáveis analisadas apresentaram valores de acurácia substanciais ou quase perfeitas (Cb >0,95). Por outro lado, cerca de 60% das variáveis apresentaram valores de correlações entre forte (r >0,70) e moderado (r >0,40 <0,70). Os maiores valores de correlação foram encontrados ao investigar as variáveis hora que acorda e que dorme 2ª a 6ª feira (r=0,80; r=0,76). Esses indicadores demonstram que o WebCas VI possui boa capacidade de avaliar os hábitos de sono. No entanto, em relação as variáveis hora que dormiu ontem (r=0,17) e, hora que dorme fim de semana (r=-0,03) apresentaram as menores correlações, demonstrando limitação do instrumento em identificar e avaliar o horário de dormir dos estudantes.

Nas análises relacionadas aos indicadores de P, observou-se que três das oito variáveis analisadas apresentaram fortes valores de correlação (>0,70). Entre os meninos, esses valores foram observados em quatro variáveis, enquanto entre as meninas somente em uma das oito variáveis.

A proposta de elaboração do WebCas VI, a partir de vários instrumentos previamente elaborados e testados em outras regiões e países, pode ter contribuído aos bons indicadores de reprodutibilidade observados nesse estudo. Outrossim, a incorporação das variáveis relativas a identificação dos hábitos de sono, bem como a utilização da lista de atividades propostas9, podem ser considerados como aspectos de grande relevância deste instrumento.

A seleção amostral realizada de forma intencional, o desequilíbrio entre os estratos da amostra (63,4% meninos e 36,6% de meninas), assim como o fato de 95% da amostra ter sido composta por estudantes de estratos socioeconômicos C+D+E, podem ser consideradas as maiores limitações do estudo. Da mesma forma, a escassez de estudos dessa natureza, sobretudo, que tenham utilizado análises estatísticas similares dificultaram o processo de discussão dos resultados. Sugere-se um estudo de reprodutibilidade com estudantes de alto estrato socioeconômico.


CONCLUSÃO

O instrumento apresentou indicadores de reprodutibilidade satisfatórios, em ambas variáveis (categóricas e contínuas). No entanto, cabe destacar que em relação às análises discriminadas por sexo, estas indicaram que os meninos apresentaram indicadores de reprodutibilidade teste e reteste mais consistentes em relação às meninas. Logo, os autores recomendam a utilização do WebCas em estudantes brasileiros, especialmente na Região Sul.


REFERÊNCIAS

1. Steele MM, Richardson B, Daratha K, . Bindler RC. Multiple Behavioral Factors Related to Weight Status in a Sample of Early Adolescents: Relationships of Sleep, Screen Time, and Physical Activity. Children's Health Care 2012; 41(4):269-280.

2. Reis TG, Oliveira LCM. Pattern of alcohol consumption and associated factors among adolescents students of public schools in an inner city in Brazil. Revista Brasileira de Epidemiologia 2015; 18(1): 13-24.

3. Farias Júnior JC, Lopes ADS, Florindo AA, Hallal PC. Validity and reliability of self-report instruments for measuring physical activity in adolescents: a systematic review. Cad Saúde Publica 2010; 26(9): 1669-1691.

4. Currie C, Zanotti C, Morgan A, Currie D, Looze M, Roberts C, et al. eds. Social determinants of health and well-being among young people. Health Behaviour in School-aged Children (HBSC) study: international report from the 2009/2010 survey. Copenhagen, WHO Regional Office for Europe, (Health Policy for Children and Adolescents, No. 6), 2012.

5. Thomas J, Nelson J, Solverman S. Research Methods in Physical activity. (6a ed.): Human Kinetics Publishers, 2010.

6. Legnani E, Legnani RFS, Rech CR, Guimarães RF, Campos W. Instrumentos eletrônicos para avaliar atividade física em crianças: uma revisão sistemática. Motricidade 2013b; 9(4): 90-99.

7. Guedes DP, Lopes CC. Validation of the Brazilian version of the 2007 youth risk behavior survey. Revista de Saúde Pública. 2010; 44(5): 840-850.

8. Guedes DP, Guedes JERP. Medida da Atividade Física em Jovens Brasileiros: Reprodutibilidade e Validade do PAQ-C e do PAQ-A. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2015; 21(6): 425-432.

9. Ridley K, Ainsworth BE, Olds TS. Development of a compendium of energy expenditures for youth. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity 2008; 5(1): 45.

10. Farinatti PTV. Apresentação de uma Versão em Português do Compêndio de Atividades Físicas: uma contribuição aos pesquisadores e profissionais em Fisiologia do Exercício. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício 2003;2(2):177-208.

11. Fonseca, P.H.F. Promoção e avaliação da atividade física em jovens brasileiros. São Paulo: Phorte, 2012.

12. Henry CJ, Rees DG. New predictive equations for the estimation of basal metabolic rate in tropical peoples. European Journal of Clinical Nutrition 1991; 45(4): 177-185.

13. Institute of medicine of the national academies. The National Academies Press, Washington, D.C., 2002. [Acesso em: 22/09/2013]. Disponível em: www.nap.edu

14. CDC - Centers for Disease Control and Prevention. Youth Risk Behavior Surveillance - United States, 2011. MMWR, Surveillance Summaries 2012; 61(4):168.

15. Instituto nacional do câncer (INCA). Vigescola: vigilância de tabagismo em escolares: dados e fatos de 12 capitais brasileiras. Rio de Janeiro, 2004. [Acesso em: 30/05/2015]. Disponível em: http://controlecancer.bvs.br/lis-search/resource/13743.

16. Legnani E, Legnani RFS, Dellagrana RA, Silva MP, Barbosa Filho VC, Campos W. Comportamentos de risco à saúde e excesso de peso corporal em escolares de Toledo, Paraná, Brasil. Motricidade 2012; 8(3):59 - 70.

17. ABEP - Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica do Brasil, 2014. [Acesso em: 29/09/2014]. Disponível em: http://www.abep.org.

18. Bland MJ, Altman DG. Statistical methods for assessing agreement between two methods of clinical measurement. The Lancet 1986;327(8476): 307- 310.

19. Lawrence I, Lin K. A concordance correlation coefficient to evaluate reproducibility. Biometrics 1989: 255-268.

20. Mcbride GB. A proposal for strength-of-agreement criteria for Lin's Concordance Correlation Coefficient. NIWA Client Report: HAM2005-062, 2005.

21. Nahas MV, Barros MVG, Florindo AA, Hallal PC, Konrad L, Barros SSH, et al. Reprodutibilidade e validade do questionário saúde na boa para avaliar atividade física e hábitos alimentares em escolares do ensino médio. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2012; 12(3): 12-20.

22. Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina no Esporte 2005; 11(2): 151-158.
adolescencia adolescencia adolescencia
GN1 © 2004-2019 Revista Adolescência e Saúde. Fone: (21) 2868-8456 / 2868-8457
Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente - NESA - UERJ
Boulevard 28 de Setembro, 109 - Fundos - Pavilhão Floriano Stoffel - Vila Isabel, Rio de Janeiro, RJ. CEP: 20551-030.
E-mail: revista@adolescenciaesaude.com