Revista Adolescência e Saúde

Revista Oficial do Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente / UERJ

NESA Publicação oficial
ISSN: 2177-5281 (Online)

Vol. 16 nº 2 - Abr/Jun - 2019

Artigo Original Imprimir 

Páginas: 82 a 92

Mudanças no consumo de alimentos ultraprocessados durante uma década entre estudantes brasileiros

Changes in the consumption of ultra-processed foods over a decade among brazilian students



Autores: Jaqueline Aragoni da Silva1; Kelly Samara Silva2; Giovani Firpo Del Duca3; Jucemar Benedet4; Monica Costa Silva5; Pablo Magno da Silveira6; Markus Vinicius Nahas7

PDF Português            

Descritores: Dieta; Nutrição; Alimentos; Adolescentes; Saúde; Epidemiologia.
Keywords: Diet; Nutrition; Foods; Adolescents; Health; Epidemiology.

Resumo:
OBJETIVO: Analisar as mudanças de consumo de alimentos ultraprocessados ao longo de uma década entre estudantes do sul do Brasil. Nós levantamos a hipótese de que haveria mudanças na prevalência de consumo de doces, refrigerantes e salgadinhos ao longo de uma década.
MÉTODOS: Este consistiu em uma análise secundária do Projeto "Estilo de vida e comportamento de risco de estudantes de Santa Catarina, Brasil" (COMPAC). Foram realizados dois inquéritos de base escolar em 2001 (n = 5,028) e 2011 (n = 6,529). Um questionário validado foi utilizado para coletar informações sobre a frequência de consumo (nunca: não consumidores; consumidores semanais: 1-6 dias; consumidores diários: 7 dias) de refrigerantes, doces e salgadinhos. A regressão logística foi aplicada para verificar a associação entre o ano (2001 vs. 2011) e o consumo de alimentos ultraprocessados, de acordo com sexo, idade e área de moradia. A amostra foi representativa dos alunos (15-19 anos) matriculados em escolas públicas de Santa Catarina, Brasil.
RESULTADOS: Em relação aos resultados, verificou-se uma redução na prevalência de consumidores diários de refrigerante (de 19,7 a 10,0%), doces (de 34,3% para 8,0%) e salgadinhos (de 17,9% para 3,9%). Por outro lado, houve um aumento na prevalência de consumidores semanais desses alimentos ultraprocessados. Além disso, as mudanças variaram quando analisadas por sexo, idade e área de moradia.
CONCLUSÃO: Foi possível concluir que, apesar de uma diminuição da prevalência de consumidores diários de refrigerante, doces e salgadinhos, são necessárias mais ações pois observou-se um aumento na prevalência de consumidores semanais desses alimentos ultraprocessados.

Abstract:
OBJECTIVE: Analize the changes in the consumption of ultraprocessed foods over a decade among students from the Southern Brazil. We hipothesize that there would be changes on the prevalence of sweet, soda and snacks consumption over a decade.
METHODS: It was a secondary analyzes of the Project "Lifestyle and risk behavior of students from Santa Catarina, Brazil" (COMPAC). Two school-based surveys were conducted in 2001 (n=5,028) and 2011 (n=6,529). A validate questionarie was applied to collect informations about frequence of consumption (never: non consumers; weekly consumers:1-6 days; daily consumers: 7 days) of soda, sweets and snacks. Logistic regression was applied to verify the association between year (2001 vs 2011) and consumption of ultraprocessed foods, according to sex, age and housing area. A representative sample of the students (15-19 years) enrolled in public schools from Santa Catarina, Brazil.
RESULTS: Regarding the results, it was verified a reduction in the prevalence of daily consumers of soda (from 19.7 to 10.0%), sweets (from 34.3% to 8.0%) and snacks (from 17.9% to 3.9%). In other hand, there was an increase in the prevalence of weekly consumers of these ultra-processed foods. Furthermore, the changes varied according to sex, age and housing area.
CONCLUSION: It was possible to conclude that even though there was a decrease in the prevalence of daily consumers of soda, sweets and snacks, further actions are required since it was observed an increase in the prevalence of weekly consumers of those ultra-processed foods.


<<<<<<< .mine

GN1 © 2004-2019 Revista Adolescência e Saúde. Fone: (21) 2868-8456 / 2868-8457
Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente - NESA - UERJ
Boulevard 28 de Setembro, 109 - Fundos - Pavilhão Floriano Stoffel - Vila Isabel, Rio de Janeiro, RJ. CEP: 20551-030.
E-mail: revista@adolescenciaesaude.com